Templários

» Fundação e História 

   A Ordem dos Templários foi fundada em 1118, por Hugues de Payens e Geoffroy de Saint-Omer como uma ordem militar e religiosa, com o nome de "Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão". A Ordem foi criada em Jerusalém, onde receberam do Rei Balduíno II um templo no Monte Moriah para que pudessem se reunir, monte no qual o Rei Salomão edificara seu Templo.
   A eles se juntaram mais seis cavaleiros: Andre de Montbard, Nivar de Montdidier, Archambaud de Saint-Aignan, Geoffroy Bisol, Rossal e Gondemar (cavaleiros espanhóis).
   Graças ao apoio de Balduíno II os Templários acumularam vitórias sobre os sarracenos (povo muçulmano que não acreditava em Cristo, hereges). Em 1128 já sua fama percorria todo o Oriente Médio e Hugues de Payens apresenta-se ao Concílio de Troyes pedindo a confirmação da Ordem, o que lhe foi concedido pela Santa Sé.
   São Bernardo (nome o qual era conhecido Bernardo de Clairvaux), alma deste Concílio, redigiria na mesma época uma regra severa e disciplinada para eles, composta de 72 artigos.
   Sua regra usa fundamentalmente os princípios da Constituição de Santo Agostinho e os Templários são obrigados a três votos: Castidade, Pobreza e Obediência. Além disso só podiam comer carne 3 vezes por semana e praticavam rigorosamente a disciplina do silêncio; suas vestes deviam ser de lã, pele de cordeiro ou de carneiro e não era permitido o uso de peles preciosas como de alguns outros animais; usavam barba e bigode, mas deveriam ter os cabelos cortados igualmente na parte da frente.  Se algum cavaleiro morresse os demais deveriam rezar 100 pai-nossos por dia até o sétimo dia após a morte, entre outros deveres que os Templários seguiam.
   Seus membros se dividem em Cavaleiros, Pajens (Capelães), Escudeiros, Serventes ou Servidores. Acima de todos estava o Grão-Mestre, que com o consentimento do Convento nomeava os Comendadores Provinciais. Os Templários usavam uma túnica inteiriça, metade branca e metade negra, adornada com a cruz vermelha. Esta túnica significava "bons para os amigos de Cristo e terríveis para seus inimigos".
   A recepção dos neófitos fazia-se à noite, conforme mistérios iniciáticos antigos, entre os escudeiros e com uma tocha na mão, após pedir três vezes para entrar o neófito era recebido no Convento por 12 membros, os quais lhe faziam numerosas perguntas e lhe explicavam todos os sacrifícios do novo cargo.
   Na guerra, os Templários ajudaram muito as Cruzadas, sendo os maiores guerreiros nas lutas da Terra Santa; simultaneamente também se colocaram a serviço de todas as nações cristãs, acumulando incríveis riquezas entre objetos apreendidos em guerras e donativos em ouro, castelos e regiões inteiras em diversos países da Europa, em reconhecimento pelos serviços prestados a vários monarcas.


»  Os Grão-Mestres da Ordem dos Templários  
 

Nome                                                                 Período
 
     Sir Hugues de Payens                                       1118 - 1136
     Sir Robert de Craon                                          1136 - 1149
     Sir Everard de Barres                                        1149 - 1153
     Sir Andre de Montbard                                      1153 - 1156
     Sir Beltraun de Blanquefort                                1156 - 1169
     Sir Filipe de Milly de Naplusa                                1169 - 1171
     Sir Odo de Saint-Amand                                    1171 - 1179
     Sir Arnold de Torroges                                      1180 - 1184
     Sir Gerard de Ridefort                                        1185 - 1189
     Sir Robert de Sablé                                           1191 - 1193
     Sir Gilbert Erail                                                  1194 - 1200
     Sir Filipe de Plessiez                                           1201 - 1209
     Sir Guillaume de Chartres                                    1210 - 1219
     Sir Pedro de Montaigu                                       1219 - 1232
     Sir Armand de Peragors                                     1232 - 1244
     Sir Richard de Bures                                          1244 - 1247
     Sir Guillaume de Sonnac                                     1247 - 1250
     Sir Reinald de Vichiers                                       1250 - 1256
     Sir Thomas Berard                                            1256 - 1273
     Sir Guillaume de Beaujeu                                    1273 - 1291
     Sir Thibaud Galdin                                             1291 - 1298
     Sir Jacques DeMolay                                          1298 - 1314
 

» Os interesses que levaram a prisão dos Templários 

* Após várias guerras, a França foi perdendo suas riquezas; havia apenas uma realidade: o soberano era pobre e a Ordem rica. O Rei então, abatendo a Ordem dos Templários, apoderar-se-ia de seu ouro, esvaziando     seus cofres para encher os do Estado.
* O Papa Clemente V queria a fusão da Ordem dos Templários com a Ordem dos Hospitalários, isso faria com que a liderança dos grupos passasse para as mãos do Papa. Sendo assim Jacques DeMolay negou a proposta de união, aumentando a ira do Papa Clemente V e do Rei Filipe, o Belo.
* Rei Filipe IV, o Belo, pediu admissão na Ordem dos Templários, mas por trás disso havia o desejo de Filipe ser o Grão-Mestre e pegar toda riqueza da Ordem para si. Sendo assim Jacques DeMolay e os demais Templários negaram a entrada do Rei na Ordem.
* Um dos Cavaleiros Templários, chamado Squin de Florian, insatisfeito por Jacques DeMolay ser o Grão-Mestre, prepara falsas provas para serem entregues ao Rei Filipe e trai DeMolay, aliando-se com Filipe e dando informações dos locais em que o Grão-Mestre estaria para que pudesse ser preso e de onde encontrava-se as riquezas da Ordem do Templo.


»  A prisão dos Templários 

No dia 12 de outubro de 1307, o 22º Grão-Mestre dos Templários, Jacques DeMolay, acompanhado de seus cavaleiros, estavam em Paris para a Cerimônia de Funeral de uma Princesa da Casa Real da França. Logo após o funeral, DeMolay foi para a sede européia da Ordem chamada "Vila Neuve du Temple", e após um jantar com seus cavaleiros e escudeiros recolheu-se para seus aposentos para descansar. No mesmo instante, oficiais espalhados por todo reino francês e representantes do poder do Rei, abriam as cartas contendo o Selo Real, as quais traziam o decreto de prisão de Jacques DeMolay e dos Templários, hóspedes de honra do Rei da França.
Durante a madrugada da sexta-feira 13 de outubro de 1307, enquanto os sinos tocavam três badaladas, oficiais invadiam as casa dos Templários na França inteira. No castelo onde estava Jacques DeMolay, o próprio guardião do Selo Real, Guillaume de Nogaret liderou a invasão e declarou DeMolay e todos os Templários ali presentes prisioneiros sob a ordem do Rei Filipe, o Belo.
Os Templários de todos os Conventos e Comendadorias foram postos nas prisões do Estado, onde cumpririam ordens pessoais do Rei: serem submetidos ao tormento e interrogados pela Câmara Inquisidora para confessarem sua culpa.


»  As acusações contra os Templários 

* Negação e ultrajes à cruz - os Templários foram acusados de heresia; de negarem a existência de Deus e de Jesus Cristo, não sendo portanto Cristãos; de cuspirem na cruz e de a colocarem de ponta-cabeça.
* Não consagração da hóstia - foram acusados de não acreditarem na ressurreição de Cristo e não considerarem a hóstia como o corpo de Cristo.
* Poder de remissão do Grande Mestre - diziam que o Grão-Mestre absolvia seus cavaleiros dos pecados, colocando-se acima de Deus e da Igreja (a qual era incumbida de aplicar a penitência e a absolvição dos pecados, dizendo-se a única Ordem com permissão divina).
* Sodomia e beijos obscenos - acusados de manterem relações homossexuais entre os Templários e de beijarem-se na boca, principalmente na recepção do neófito.
* Imposição do segredo - a Igreja e o Rei alegavam que para haver segredo, havia algo maligno em suas reuniões. Diziam ainda, que esses segredos tratavam-se de planos contra a Igreja e o Reinado de Filipe, o Belo.
* Existência de uma regra secreta - tal regra seria a "Ordem Negra", o ensinamento oculto, uma regra que pregava os deveres dos seguidores de Baphomet.
* Idolatria à Baphomet - acusados de cultuarem a figura de Baphomet, um ser com cabeça de bode e que representa o demônio; o diabo; satanás.

 

»  O "Fim" dos Templários 

   No dia 18 de março de 1314 Jacques DeMolay foi queimado numa fogueira aos olhos de várias pessoas que assistiram sua trágica derrota, declarando, com a morte do seu Grão-Mestre, o suposto fim da Ordem dos Templários. Mas, segundo alguns autores, os Templários, que escaparam da fúria do Rei, fugiram para a Escócia e entre os anos 1376 e 1396, trabalhando como pedreiros na construção de grandes catedrais, deram início a "Freemasonry" ou "Franco-Maçonaria".

 

 
Forum